Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais, leia a nossa Política de Cookies.

Correio da Manhã    por    C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Aprenda a reciclar plástico sem dúvidas
Notícias

Aprenda a reciclar plástico sem dúvidas

Os pacotes de bebidas são no ecoponto amarelo ou no azul? Será que a embalagem da espuma em spray pode ser reciclada? A maquilhagem vai para o lixo indiferenciado? Ainda tem dúvidas para esclarecer no que toca à separação do plástico? Vamos às respostas!

O plástico está no foco de todas as atenções e não pelas melhores razões. É inegável que este material mudou (e muito) a forma de consumirmos uma série de produtos. Pela leveza e versatilidade permitiu o desenvolvimento de vários objetos e embalagens que nos facilitam o dia a dia. No entanto, a ilha de plástico no oceano Pacífico denuncia não só um excesso de utilização de plástico mas, sobretudo, um mau encaminhamento deste depois de utilizado.

A garrafa de água, o copo de iogurte, o frasco de champô, o pacote de sumo e a embalagem de batatas fritas não têm de ser desperdiçados só porque o produto terminou. Podem ainda vir a ser calças, sapatos, mobiliário, vasos ou tubos. 

Sabia que 25 garrafas de plástico podem ajudar a criar uma camisola? As potencialidades são quase infinitas e há muitas coisas novas a nascer das garrafas que deitamos no ecoponto amarelo, desde o fabrico de outras embalagens até à criação de novas peças.

A reciclagem deste material altamente versátil permite dar-lhe uma segunda vida poupando a extração de novas matérias-primas. Por isso, torna-se fundamental o devido encaminhamento destes materiais para ecopontos — até para evitar que cheguem a rios, lagos e oceanos ou que se acumulem no fundo do mar. Feitas as contas, cada 100 toneladas de plástico recicladas evitam a extração de uma tonelada de petróleo. Se todas as embalagens de plástico de 2018 fossem recicladas, conseguíamos poupar a extração de 1630 toneladas de petróleo.

Reciclar é fácil, mas o importante é ir afinando o gesto da separação e esclarecer todas as dúvidas para dar às embalagens um final feliz. 

O que deve colocar no amarelo

No contentor amarelo, para além das embalagens de plástico, é o local onde devem ser colocadas todas as embalagens de metal e de pacotes de bebidas como sumo, leite, natas e polpa de tomate. Apesar de o exterior destas últimas embalagens ser de cartão, também são compostas por plástico e alumínio. Depois, no processo de reciclagem, os três materiais são separados e cada um segue para o reciclador respetivo. 

O ecoponto amarelo é igualmente o lugar de muitos produtos de beleza usados diariamente, como o dispensador de sabonete, a pasta de dentes, a lata do spray de cabelo e o frasco de champô. As embalagens de plástico, mesmo com pequenos restos de creme no fundo, podem ser colocadas no ecoponto amarelo sem ser necessário lavar, pois todas são tratadas devidamente durante o processo de reciclagem. Esvazie o máximo que conseguir e deposite-a no ecoponto. Se a paleta de sombras de maquilhagem, o rímel ou o batom, em plástico, estão mesmo a acabar, não se esqueça de lhes pôr a tampa e depositar no amarelo.

Amarelo também é a cor para sacos de plástico e para a rede em que habitualmente são vendidas as batatas, as cebolas e os alhos, por exemplo. Embalagens sujas ou com gordura, como latas de atum e garrafas de óleo alimentar, podem ir diretas para o ecoponto amarelo.

Lembre-se: nos ecopontos, só se devem depositar embalagens — à exceção do ecoponto azul, no qual pode colocar itens que não cumpram a função de embalagem, como é o caso dos jornais antigos, revistas ou cadernos usados. 

O que não deve colocar no amarelo

Objetos como panelas, talheres, palhinhas e película de celofane, ainda que tenham metal e plástico na composição, não devem ir para o ecoponto porque não são embalagens. O mesmo se aplica a outros utensílios de plástico como canetas sem tinta, pentes, réguas, CD ou DVD. O melhor é tentar reutilizá-los. Em alternativa, deve depositar estas peças num ecocentro ou, no limite, deitá-las no lixo indiferenciado.

Outros objetos como pilhas e baterias ou eletrodomésticos têm um lugar reservado nos pontos de recolha seletiva como o electrão.

Ainda há quem coloque estores, piscinas insufláveis e cassetes de vídeo no ecoponto amarelo. É verdade que uma boia é de plástico, mas não é uma embalagem e, por isso, não deve estar na companhia dos demais resíduos que cabem no ecoponto amarelo. 

E os brinquedos? Pode sempre doar a instituições e associações de apoio social da área de residência. Se achar que já não estão nas melhores condições para serem reaproveitados para outras crianças, há mais duas opções a considerar: levá-los até ao ecocentro mais próximo para poderem receber um tratamento e ganhar uma nova vida, ou pô-los no lixo comum.

De latas de atum a bicicletas

Sabia que uma lata de bebida pode ser reciclada infinitamente sem nunca perder qualidade? Depois de encaminhadas para os centros de reciclagem, as latas de alumínio e outras embalagens semelhantes são limpas de todas as impurezas que possam conter. De seguida, os resíduos de alumínio são cortados, reduzidos em pequenos fragmentos e fundidos a 700 °C. Na fase seguinte, o alumínio líquido é transformado em lingotes ou chapa e é vendido enquanto matéria-prima às indústrias que fabricam produtos e embalagens deste material. Assim nasce uma lata de atum e, mais tarde, até uma bicicleta. 

As latas de aço são encaminhadas para serem derretidas e dão origem a nova matéria-prima para as diversas indústrias, como a automóvel e siderúrgica. Por cada tonelada de aço reciclada é possível evitar a extração de 1,5 toneladas de minério, assim como poupar (comparativamente à produção de raiz) 70% de energia e 40% de água. 

Faça parte da solução e coloque as latas no ecoponto amarelo. Se ainda restarem questões na hora de separar os resíduos, consulte o site da Sociedade Ponto Verde. Esclarecidas as dúvidas, já não há razões para não reciclar mais e melhor. 

Samuel Úria

Samuel Úria

@samueluria
Saiba Mais

Partilhe nas Redes Sociais